Mensuração e distribuição de patologias na degradação em argamassa

Main Article Content

Danilo Gonçalves dos Santos Mariana Sarnícola P. H. de Macêdo Jéssica Siqueira de Souza Elton Bauer

Resumo

As fachadas atuam protegendo o edifício e, por esta razão, recebem maior influência dos agentes de degradação, tais como radiação solar e chuva frontal. O estudo desta degradação contribui para a escolha mais adequada de soluções construtivas e de materiais, bem como para a prevenção e reparo de patologias. Com este intuito, propõe-se a identificação e análise da ocorrência de patologias em fachadas em argamassa por meio do estudo de caso de três edifícios situados em Brasília, visando a obtenção de padrões e tendências de degradação. Inicialmente, foram selecionadas as patologias mais relevantes para fachadas em argamassa; são elas: fissuras, manchas, pulverulência, descolamento e eflorescência, falhas nas pinturas (bolhas, fissura e descolamento). A metodologia empregada consiste na inspeção de edifícios e utilização de fotografias para a construção de panoramas ortogonalizados para mapeamento e quantificação das áreas degradadas. A análise dos dados baseia-se no fator de danos (FD), calculado como a soma das áreas afetadas por cada anomalia estudada em relação ao tamanho da amostra. Foi identificado que manchas e fissuras são as patologias mais recorrentes nas fachadas em argamassa, sobretudo na região de topo.

Article Details

Como Citar
SANTOS, Danilo Gonçalves dos et al. Mensuração e distribuição de patologias na degradação em argamassa. Gestão e Gerenciamento, [S.l.], v. 1, n. 2, p. 12 - 18, apr. 2018. ISSN 2447-1291. Disponível em: <http://nppg.org.br/revistas/gestaoegerenciamento/article/view/9>. Acesso em: 10 dec. 2018. doi: https://doi.org/10.17648/nppg-gestaoegerenciamento-2447-1291-9.
Seção
Artigos